Destaque

Na onda do berimbau: entre o funk proibidão e a capoeira patriarcal Recentemente a “comunidade” da capoeira foi surpreendida por um clipe musical que relacionava a capoeira ao funk. Como? Com uma letra indicando que mulheres “novinhas” iam sentar-se no pau do berimbau, metaforicamente, associado ao pênis do traficante que depois ia fuzilá-las. Essa letra […]

Leia mais

Cadê meu berimbau?

Na roda da capoeira angola quem comanda os trabalhos é o berimbau, principalmente o berimbau gunga. Para o gunga funcionar alguém tem que tocar, então quem comanda a roda não é o berimbau, é quem está no berimbau. Quem está com o berimbau na mão, tem a autoridade da coordenação daquele espaço. Com certeza tem que ter habilidades para estar naquele lugar, que vão além do cantar e tocar, tem que ter sensibilidade de perceber o jogo, observar o entorno, ter visão periférica. É um lugar majoritariamente ocupado por homens. Será que a mulher não tem esta capacidade?

Leia mais Cadê meu berimbau?

Demanda de Resposta à Comunidade

Prezades
Estamos compartilhando com o público e com a comunidade da capoeira a nossa demanda de resposta à reunião organizada em ambiente virtual por mestre Roxinho no dia 07/07/20 da qual participaram várias pessoas da comunidade da capoeira. Esta reunião pretendeu oferecer uma “solução” para o caso de violência sexual divulgado seguindo, conforme relataram, preceitos “tradicionais” de matriz africana.

Leia mais Demanda de Resposta à Comunidade