Musicalidade Feminista

“Musicalidade na capoeira é o que sustenta a energia, o que conecta e comunica com os corpos em jogo e também é o que conta as histórias. Ela garante a passagem e preservação dos ritos, é a via da tradição oral. Ela é, também, uma atividade das gerações, uma interlocução histórica, a insterpretação própria daquele momento. A musicalidade, portanto, compõe o mosaico da identidade cultural da capoeira.” – Mestra Samme, Julho/2020.

Cantigas

Ele diz que é provedor
Composta e interpretada por Contramestra Tatiana

Minha mãe lá vem o homem
Minha filha deixa vir
Ai que não devo nada ao homem
Mas esse homem deve a mim
Ele diz que é provedor
Mas veja que provocação
Quando muito, pouco ajuda
Não tem participação
Mas homem é independente
Homem tem autonomia
Sua escolha é privilégio
Resultado é covardia
Só não me diga que é provedor
Que é chefe de família
Se não tá com a mamãe nem com a vó
Onde é que tá tua cria
Camarada.

Arte: Melanie Cervates IG @melaniecervantes
A Luta é Todo Dia
Composta e interpertada por Flávia Luacapu

Eu vim aqui para cantar
Pra gente se libertar 
Contra o sistema opressor
Capoeira eu vou levar
Dominação e violência
Nós não vamos aceitar
A culpa não é minha
Tranquila eu quero andar
Sou mulher com muito orgulho
Minha mãe me ensinou
A luta é todo dia
Contra o dominador
Se você é um machista
Eu agora vou dizer
Não vamos deixar passar
Nenhum tipo de abuso
Vamos gritar bem alto
A nossa indignação
Se precisar vamos também
Denunciar esse machão
Você tem que entender
Que o meu corpo não é seu
Pra violar ou agredir
Como você aprendeu
Se você é nosso mano
Também vai querer lutar
Pra acabar com a violência
E aprender nos respeitar 
Camará!

Arte: Brunna Mancuso IG @brunnamancuso
Mulher capoeira 
Composta e interpretada por Instrutora Radha

Se não viu Venha ver, mulher tocando berimbau e jogando pra valer  
Se não viu Venha ver, mulher tocando berimbau e jogando para valer 
Já dizia o meu mestre, respeite as diferenças. Se você não entendeu então tome consciência. 
 
Se não viu Venha ver, mulher tocando berimbau e jogando pra valer  
Se não viu Venha ver, mulher tocando berimbau e jogando para valer 
Mulher joga capoeira e dança maculelê.
Com pintura ou sem pintura toda mulher tem seu  poder.
  
Se não viu Venha ver, mulher tocando berimbau e jogando pra valer  
Se não viu Venha ver, mulher tocando berimbau e jogando para valer 
Nossa luta não é de hoje. Nossa história não foi contada. São Teresas e Dandaras que só agora  são lembradas.
 
Se não viu Venha ver, mulher tocando berimbau e jogando pra valer  
Se não viu Venha ver, mulher tocando berimbau e jogando para valer 

Guerreiras da ginga, da sua força tenha consciência.
Como a capoeira, mulher também  resistência. 

Se não viu Venha ver, mulher tocando berimbau e jogando pra valer
Se não viu Venha ver,  mulher tocando berimbau e jogando para valer.

Arte: Aline VargasIG @alinerangelvargas
Oiá
Composta por Professora Minha Velha e interpreatada por Instrutora Ana Claudia Paschoal

Eparrei Oya Iansã
Mulher forte guerreira

Capoeira candomblé / Maculele samba no pé
Cada arte sem mulheres / Não é completa, não é não é

Meu pai Ogum guerreiro  / Me abençoe oxalá
Agradeço primeiro a Oxum / depois vou cantar pra Iansã  

Menino quem foi seu mestre / Meu mestre é mestre Amen
Mas a primeira foi a minha mãe / Quem me ensinou a caminhar bem  

Mãe das águas Iemanjá / Ora iê iê Oxum eu vou cantar
elas são mulheres / Cada uma guerreira  

Ela é de ouro e de mel / Das artes da música
Mulher das águas doce / Para Oxum que eu cantar

Mulher Também é capoeira
Composta por Professora Zangada e interpretada por Amazonas 

Mulher também é capoeira, cuidado moço pra não cair na rasteira. (Coro)

Você que pensa que mulher não é de nada, vem jogar conosco capoeira mandingada.
(Coro)
Muitos machistas não nos deixam nem jogar, mal entramos na roda já vem um pra nos cortar
(Coro)
Não subestime o potencial de uma mulher, veja aqui nesse momento o que mais que você quer
(Coro)
Dim dim dom dom berimbau eu sei tocar, se você não sabe vem aqui vou te ensinar
(Coro)
Na capoeira joga homem menino e mulher, na roda de capoeira só não entra quem não quer

Arte: Brunna Mancuso IG @brunnamancuso
Quando eu morrer, disse Dandara
Interpretação Instrutora da Mata

Quando eu morrer, disse Dandara
Quando eu morrer, disse Dandara
Não quero choro, nem vela
Também não quero barulho
Na porta do cemetério
Eu quero meu birimbau
Eu quero meu birimbau
Com uma fita amarela
Gravado com nome dela
Eî, o meu nome
É Dandara
E como è meu nome?
È Dandara 
Sou mulher guerreira 
È Dandara
Líder e estratega
É Dandara
Eu defendi Palmares
Eî, o meu nome
È Dandara
Olha lá Sirí de Mangue
Todo tempo não è um
Olha aqui você sai
Na presa do Guaiamum
Quando eu entro você vem
Quando eu saio você entra
Nunca vi mulher valente
Que não fosse mandingueira
Eî, o meu nome
É Dandara
E como è meu nome?
È Dandara 
Eu sou mulher guerreira 
È Dandara
Negra e mandingueira
É Dandara
Eu defendi Palmares
Zumbi foi meu marido
È Dandara
Lute contra a opressão
È Dandara
E mori com valentía
È Dandara

Arte: Andressa Meissner IG @andressameissner
Capoeira é liberdade
Composta e interpretada por Christine Zonzon

Anu não canta em gaiola
Anu não canta em gaiola
A voz se cala na prisão
O nego fez a capoeira 
No tempo da escravidão
e através dessa luta
Resistiu a opressão
Capoeira é liberdade
Grito de libertaçāo
Aqui não cabe vaidade
Não é palco para machão
E por isso nessa roda
Joga eu joga você
Joga o velho e a criança
Joga homem e mulher
Escuta bem meu camarada
O que eu vou lhe dizer
Se quiser brincar sozinho vai jogar vídeo game, camaradinha

Arte: Aline Vargas IG @alinerangelvargas
A beleza da mulher
Interpretada por Adriana Pimentinha e composta por Mestre Lupião

Não se mede por seu corpo
Deve ser por sua virtude
E também pelo seu esforço
Pois nesse mundo de machistas
Temos muito que acabar
São tantos tipos de assédio que não se deve alimentar
Fico feliz porque eu vejo 
Mudanças na capoeira
Tem mulher mestra de escola
Por aí dando rasteira
Abrindo fortes caminhos 
Pra outras na capoeira, camaradinha…

Arte: Melanie Cervantes @melaniecervantes
Endurecida
Composta e interpretada por Mestra Dandara Baldez

Agora se me perguntam
Por quê sou tão endurecida
Não jogo de brincadeira
Não sorrio noite e dia
Durmo com o olho fechado 
E outro lá na sacristia
Não gosto de santo homem
Não gosto de santo homem
Nem por ele vou rezar
Eu só traço meu caminho
Para ele não cruzar

Se jogar no desafio
Se jogar no desafio
Eparrê
Acha um chão no céu também
Porque eu não jogo desafio
Com quem não vale um vintém.

Arte: Andressa Meissner IG @andressameissner
Marielle Franco 
Composta por Lígia Vilasboas, interpertada por Adriana Pimentinha

Eu não choro por tristeza
Nem vim aqui pra reclamar
Pois no jogo da vida
Lutamos pra desmontar
A violência que nos cerca
Na mira de nos matar
Ser mulher é ser precisa
É ser capaz de superar
O machismo e as maldades
Que querem nos intimidar.
Mas uma coisa eu lhe digo
Não estamos aqui para temer
Como a água apaga o fogo
O nosso azeite é dendê
Vamos fazer nossa mandinga
Quem quiser pare pra ver
Camará!

Arte: Lole IG @loleland
Dandara
Composta e interpretada por Professora Bruna Guruça

Salve Dandara 
Guerreira de Palmares no jogo dos pés pros ares 
Se livrou da escravidão 
Na meia lua no rabo de arraia e na rastrera capoeira é mandigueira defendeu sua nação 
Era Rainha do povo que resistia sobre a sua maestria 
Lutou contra a opressão 
E no axé de todos os seus Ancestrais 
Com a bença dos Orixás
 Recebeu a proteção 
lêee viva Dandara
lêee viva Dandara Camara 
Teresa Benguela 
lêee Teresa Benguela Camará
E a Marielle lêee a Marielle Camará 
E todas as mulheres 
lêee todas as mulheres Camará 
lê vamos embora 
lêee vamos embora Camará 
Pelo mundo agora 
lêee pelo mundo afora Camará

Arte: Leila IG @le.la.art
Ela Joga Capoeira
Composta por Mestra Suelly e interpretada por Contramestra Jana

Na Lagoa do Abaete
Encontrei Dona Sinha
Tava lavando o abada
Ora meu Deus, pra dança no Candomblé
Ela joga capoeira
também joga capoeira.
Todos sabem como e
joga homem e menino
e também joga mulher.
Mestre Pastinha falou,e Mestre Bimba confirmou
Todos podem aprender, general também doutor.
Sou mulher, Eu sou Maria
Capoeira de valor
Doze homems me chamavam,
Ora meu Deus
E melhor saber quem sou, camara.
Agua de beber, agua de lavar
Ie, da volta ao mundo
E e e, zum zum zum
Olha o homem que eu matei
Pra cadeia eu não vou
Era um fino desordeiro
Era um fino matador
Amanha eu vou embora
Por este mundo de Deus.

Arte: Emilia Garcia IG @burnttortilla

Chicão
Composta e interpretada por Juliana Foltran

Francisca Albina é vulgo Chicão
Bateu no Porreta
Desceu-lhe a mão
Não me contaram o que ela fez
Bateu no Valente!

O que ela fez?
Bateu no valente
O que ela fez? 
Quebrou a cabeça
O que ela fez?
Deu rabo de arraia
O que ela fez?
Meteu-lhe a navalha
O que ela fez?
Quebrou-lhe um dente
O que ela fez?
Bateu no valente

Arte: Emilia Garcia IG @burnttortilla
Mandinga de Mulher
Interpretada e composta por Adriana Pimentinha

Essa roda tem mandinga
 Mandinga de mulher 
Joga eu joga você 
Joga aqui quem mais quiser 
Maria Felipa quem falou 
 Capoeira de Angola é pra homem e mulher 
Vamo fazer a diferença 
Construir uma nova história 
 A história da igualdade na capoeira agora, camará

Arte: Maggie Cole IG @maggiecoledraws
Meu menino
Composta por Maria de Angola, interpretada por Girassol

Cadê o meu pretinho, que corria lá na estrada
Seu sorriso iluminava, meus dias de escuridão
A esperança que nasceu com essa criança
Ela me foi arrancada, quando olhei pra aquela estrada e vi meu filho partir Naquele dia que o feitor me avisou
Que o maldito do sinhô, tinha vendido o menino Aquela cena jamais será esquecida
Não tem mais sentido a vida
Não tem cura essa ferida
Só Deus sabe a minha dor
Ver meu menino suplicando pro feitor
De joelhos implorou pra se despedir de mim Último beijo, um abraço apertado
Nesse instante foi firmado que não ia se abater Jurou ser forte, não ficou a própria sorte
Pois nossa ancestralidade, o livrará dessa maldade Eu grito de liberdade ele há de conquistar
Iê viva meu Deus
Iê viva meu Deus Camarada
Iê o meu menino
Iê o meu menino Camarada
Iê a liberdade
Iê a liberdade Camarada
Iê ancestralidade
Iê ancestralidade Camarada

Arte: Giulia Pintus IG @giuliapintus_ilustrazioni
Quando estou com essas manas
Composta e interpretada por Mestra Samme

Aí quando estou com essas manas
Essas manas são mais eu
Nós encosta costa com costa, colega velho
Pra nossa vida só Deus
Aí quando estou com essas manas
Aí já tou com quem eu posso
Oi tira couro de maroto, colega velho
Maroto não tira o nosso
Mas quando estou com essas manas
Quando tou com essas Marias
Ah todo dia é trincheira
Seja noite seja dia, camaradinha

Art by Brunna Mancuso IG @brunnamancuso
A Capoeira é bonita
Composta e interpretada por Nathalia Gabba

A Capoeira é bonita
Linda de admirar
É cultura é mutável 
Transluzente a transformar 
Você diz que não é pré-conceito 
Que é a sua tradição
Que respeito é hierarquia
Mas não entendeu nada não
Pois ela é instrumento de libertação 
O meu lugar é aqui na roda
Eu vou cantar eu vou jogar
O meu gunga vibra alto
Aos ancestrais chegar
Se sua valentia fosse coragem
Ao invés da força usasse a mente 
Tu viraria angoleiro
De pastinha a semente
Viva Dandara nossa guerreira
Peito forte e lutador
Que ao lado de Zumbi
Enfrentou o opressor
Ela é mãe ela é rainha
Assim como Iemanjá
Saiba que toda filha de Pastinha 
Tem vontade de jogar
camará

Arte: Andressa Meissner IG @andressameissner

agradecemos a todas as artistas que ilustram esse projeto!


Vamos construir juntxs.