Destaque

Nós, as ninguém, as sem nome na capoeira

Repudiamos com poesia porque somos uma coletiva feminista criativa e entendemos que juntas somos mais fortes Nós, as ninguém, as sem nome na capoeira Nós, as “ninguém”, dizemos basta aos abusadores.Nós, as ninguém, sabemos que não somos ninguém e não esperamos seu reconhecimento.Nós, as ninguém, nos juntamos e apoiamos as vítimas de abusos que são […]

Leia mais Nós, as ninguém, as sem nome na capoeira
Destaque

No 08 de março, amanhã e o dia seguinte também. Porque a nossa luta não cabe num dia e só se realiza no cotidiano com o coletivo, com a participação de todas e todos. Porque a violência e a desigualdade nos indignam todo dia. Porque a capoeira continua ignorando as nossas existências, nossos protagonismos e […]

Leia mais
Destaque

CARTA EM APOIO ÀS VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA SEXUAL NA CAPOEIRA

A violência sexual contra mulheres, crianças e adolescentes está imbricada em uma sociedade que compactua com tais práticas em diferentes ambientes e espaços sociais. Essa é uma luta travada diariamente por coletivos e grupos socialmente organizados para impedir que aconteça esse tipo de violência ou crime e para denunciar quem a comete.  Infelizmente em espaços […]

Leia mais CARTA EM APOIO ÀS VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA SEXUAL NA CAPOEIRA

Relato Mestra Samme

No decorrer do ano passado compartilhamos em nossas redes duas denuncia de atos de violência sexual cometidos por um Mestre de Capoeira Angola famoso internacionalmente. Em abril, participamos da elaboração e divulgação de uma carta de repúdio e apoio às capoeiristas que sofreram as violências, assinada por cerca de 600 pessoas (leia a carta na […]

Leia mais Relato Mestra Samme

Cadê meu berimbau?

Na roda da capoeira angola quem comanda os trabalhos é o berimbau, principalmente o berimbau gunga. Para o gunga funcionar alguém tem que tocar, então quem comanda a roda não é o berimbau, é quem está no berimbau. Quem está com o berimbau na mão, tem a autoridade da coordenação daquele espaço. Com certeza tem que ter habilidades para estar naquele lugar, que vão além do cantar e tocar, tem que ter sensibilidade de perceber o jogo, observar o entorno, ter visão periférica. É um lugar majoritariamente ocupado por homens. Será que a mulher não tem esta capacidade?

Leia mais Cadê meu berimbau?