MARIA FELIPA VALENTIA, INDEPENDÊNCIA E LIBERDADE

Ilustração de Bruno Aziz para a edição de 02 de julho de 2009 do jornal “A Tarde”

Não pretendo aqui falar da história de Maria Felipa mas sim pensar, a partir do meu lugar de comunicadora e capoeirista, quais sentidos essa figura representa para nós. 

E o primeiro que me vem em mente é a VALENTIA. 

Uma mulher negra com uma valentia fenomenal. É essa valentia que nós, mulheres capoeiristas feministas invocamos para nos posicionar diante das injustiças e desigualdades que permanecem até hoje, enquanto muitas mulheres ainda se calam frente às fantasias projetadas em seus corpos e acabam sustentando essa estrutura pesada chamada de patriarcado. As mulheres ainda vivem em um mundo marcado por preconceitos de classe e de raça, tendo seus corpos submetidos a tabus e estereótipos que servem para justificar e legitimar as discriminações sexistas mais evidentes. 

Se há algo que define o feminismo é  a luta e a reivindicação política sobre temas tabus ou esquecidos que são de suma importância para compreender a situação de desigualdade e subordinação de mulheres e dissidências do modelo heteronormativo. Por isso reivindicamos Maria Felipa como ícone do feminismo e da capoeira, como figura de proa, de um espaço filosófico e político como a roda de capoeira, um espaço do qual o feminismo e suas temáticas têm sido excluído e desprezados, por ser, supostamente, alheios a essa arte. Por esse motivo, a valentia é crucial. E essa valentia que tantas vezes carregamos sozinhas, agora nos encontra unidas, em redes, em coletivos que nos fortalecem, nos acolhem. 

O segundo significado invocado quando penso em Maria Felipa é a luta pela INDEPENDÊNCIA  

Mulheres, por tanto tempo confinadas e com certa ironia, decretadas “rainhas” do lar, fomos reclusas e restritas ao mundo privado, um mundo sempre disponível para as necessidades, afetos e desejos de outros. Mulheres, sem dúvida, precisamos de independência para que nossos corpos apareçam na esfera pública, nas ruas e praças, nos espaços onde acontecem as rodas de capoeira, reivindicando ali a nossa cidadania. E para consegui-la precisamos de autonomia e soberania sobre nossos corpos, assim como precisamos que os espaços em que transitamos sejam lugares seguros. Não queremos  mais precisar da proteção patriarcal, queremos um cuidado coletivo.

O último sentido que a figura de Maria Felipa desperta em mim, o mais radical, é a LIBERDADE.  

Para cumprir esses ideais, me parece que devemos nos livrar de uma amarra: aquela que proclama que a primeira vocação de uma mulher será sempre de agradar, buscando a aprovação patriarcal e desprezando seus anseios de liberdade.  Esse imperativo nos leva a perder a confiança, nos enche de dúvidas, medos e inseguranças quando nossas práticas entram em contradição com o que se espera de nós enquanto “mulheres na capoeira”. Sim! Precisamos das que incomodam, de seus atrevimentos e audácias, que tencionam a tradição patriarcal de condicionamento das mulheres forçadas a adotar papéis sociais considerados inferiores.  Queremos ser livres, nos mover no mundo da capoeira com iniciativa e audácia, com independência. Não queremos mais ser as musas inspiradoras das cantigas, queremos ser as criadoras e narradoras da nossa própria história e autoras dos nossos cantos. 

Maria Laura Schaufler, capoeirista, pesquisadora, membra do coletivo Marias Felipas e Ginga Feminista, Instrutora Pensadora do grupo Capoeira Onda Santa Fé, Argentina.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s